Passo a passo para criar uma criança feliz

Não há dúvidas de que a relação que uma mãe, pai ou responsável estabelece com a criança desempenha papel fundamental no seu desenvolvimento, tendo a capacidade de ser um diferencial positivo, mas também de atuar como obstáculo em determinadas situações.

Está claro que o objetivo comum a todos aqueles que têm filhos é justamente o de ser capaz de criar uma criança feliz e realizada. Porém qual a forma mais acertada de fazê-lo?

Os especialistas em psicologia infantil sempre falam de saber motivar, de conseguir transmitir apoio e reconhecimento, mas sem cair no excesso, que poderia ser igualmente problemático que a falta desses elementos.

A seguir, listamos alguns pontos aos que você deveria prestar atenção, a fim de alimentar uma relação positiva e equilibrada com seu filho/a:

1) Ofereça a possibilidade de escolhas

Independente da idade, a criança pode ser incentivada a tomar decisões, obviamente que envolvam um nível de complexidade para o qual ela está preparada. Não pergunte o que quer vestir, mas ofereça duas camisetas diferentes para que escolha a que ele/a mais gosta.

Esse tipo de postura ajuda a aumentar a autoconfiança e a ir construindo aos poucos a identidade da criança. Entretanto, é fundamental deixar claro que, assim como há decisões que ele/a pode tomar, outras são inegociáveis.

2) Controle o instinto superprotetor

É natural querer proteger a criança das experiências negativas, dos momentos de fracasso, por não querer vê-lo sofrer. Mas o valioso processo de aprendizagem desta etapa da vida também inclui entender que falhar faz parte e que não há nada de errado nisso.

Além disso, é a oportunidade de ensiná-lo a trabalhar com emoções como tristeza, irritação, ansiedade ou frustração, para que aprenda a buscar a superação com recursos próprios.

3) Alimente a diversidade de interesses

É muito importante que a criança encontre em casa a motivação para experimentar várias atividades diferentes: esportes, manualidades, lazer, leitura, artes, animais, cozinhar, etc. A criança que encontram um hobby, uma paixão logo cedo, acabam sendo mais sociáveis e têm mais possibilidades de se sentirem orgulhosas da sua experiência em outras áreas.

4) Trabalhe autonomia também na resolução de problemas

Muitas vezes, a criança não consegue resolver seus problemas sozinha porque nunca foi acostumada a isso. Daí a importância de estimular a busca por soluções sempre que ele/a se depara com uma situação bloqueante ou frustrante.

Por exemplo, ao brincar no parque a bola foi parar na casa vizinha. Ao invés de tomar a iniciativa de buscá-la, pergunte primeiro como ele/a acha que poderia recuperá-la. Segundo os especialistas, as crianças são capazes, quando estimuladas, de tomar decisões incrivelmente maduras, porém é preciso paciência para desenvolver o hábito.

 Crie espaços para a criança no “mundo dos adultos”

É óbvio que a criança precisa passar tempo com os seus amiguinhos, e que se divertem muito quando podem fazê-lo. Porém, ter a oportunidade de conviver com pessoas adultas, participar de conversas e atividades diversas, é uma janela que se abre para diferentes formas de pensar, ajudando a expandir a realidade deste menino ou menina. É convivendo com a diferença que a criança se torna mais flexível e madura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *